#KeitaNoIMS Follow

Photos and videos with the hashtag ‘KeitaNoIMS’ on Instagram

69 posts

Share Share Share

A exposição "Seydou Keïta" vai só até esse domingo (27/1).
.
IMS Rio
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ
.
http://keita.ims.com.br
#KeitaNoIMS
Ao longo de sua carreira, Seydou Keïta (1921-2001) produziu inúmeros retratos dos habitantes de seu país. Em seu estúdio, localizado perto da estação ferroviária de Bamako, registrava as expressões, os vestuários e os gostos dos visitantes que passavam por lá. Realizadas entre 1948 e 1962, suas imagens também mostram um período de transformação no Mali, quando o país caminhava rumo à sua independência, em 1960.
.
Depois de passar pelo IMS Paulista, a mostra "Seydou Keïta" chega ao IMS Rio. A exposição apresenta 130 obras do fotógrafo, considerado um dos precursores dos retratos de estúdio na África. A curadoria é de Jacques Leenhardt, diretor da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, e Samuel Titan Jr., coordenador executivo cultural do IMS.
. 
IMS Rio
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ
.
http://keita.ims.com.br
#KeitaNoIMS .
Imagem: Seydou Keïta. Sem título. Bamako, Mali, 1948-1962 caac – The Pigozzi. Collection, Genebra
Neste primeiro Família em foco de 2019, Tatiana Henrique contará a história "Maa Ngala e a menina da máscara de madeira", a partir da exposição do fotógrafo malinês Seydou Keïta, em cartaz no IMS Rio.
.
O evento acontece dia 12 de janeiro, das 16h às 17h.
.
Atividade gratuita com classificação indicativa livre.
.
Necessário retirar senha na recepção 30 minutos antes.
.
@imseduca #IMSeduca
.
#KeitaNoIMS #imsrio #contacaodehistorias #educativo #institutomoreirasalles #ims
Últimas semanas da exposição "Seydou Keïta" no IMS Rio!

Ao longo de sua carreira, Seydou Keïta produziu inúmeros retratos dos habitantes de seu país. Em seu estúdio, registrava as expressões, os vestuários e os gostos dos visitantes que passavam por lá. Suas imagens também mostram um período de transformação no Mali, quando o país caminhava rumo à sua independência, em 1960.

A exposição apresenta 130 obras do fotógrafo, considerado um dos precursores dos retratos de estúdio na África.

Em cartaz até 27 de janeiro. Entrada gratuita.

keita.ims.com.br
#KeitaNoIMS

Imagem: detalhe de Bamako (Mali), entre 1948 e 1963. Foto de Seydou Keïta / Contemporary African Collection (CAAC) - The Pigozzi Collection

#fotografia #exposição #Mali #SeydouKeïta #imsrio #institutomoreirasalles #ims
Nascido em 1921, na cidade de Bamako, Seydou Keïta começou a fotografar ainda jovem, produzindo retratos de seus amigos e familiares. Em 1948, montou seu estúdio, alcançando rápido sucesso. Com a proclamação da independência do Mali, em 1960, tornou-se o fotógrafo oficial do governo, tendo que fechar seu estúdio. Seu acervo, composto por mais de 10.000 negativos, começou a ser exibido no Ocidente a partir da década de 1990. Sua primeira exposição individual foi realizada em 1994 na França, na Fundação Cartier. Morreu em 2001, em Paris.

IMS Rio
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ

http://keita.ims.com.br
#KeitaNoIMS

Foto: Laura Liuzzi
Cariocaaaax e turistax, seguintche!

Pra quem acha que Ridjanêro é só tiro e ex-governador preso, tá aqui uma notícia maravigold- tá rolando no Instituto Moreira Salles do Rio uma exposição do fotógrafo Seydou Keïta. Vale muito a pena tirar um momento para visitar não só a exposição como o IMS. (eu fui na última sexta e me esqueci de postar aqui. Eu sou uma wannabe influencer muito relapsa. Socorro.) Aviso aos muquiranas: a entrada é gratuita.

#KeitaNoIMS #riodejaneiro #cultura #dica
O fim de semana chegou e, deixando de lado o black friday, viemos indicar a visita à exposição do fotógrafo Seydou Keita no Instituto Moreira Sales @imoreirasalles.
Suas fotos, do período de 1948 à 1962, retratam a transição de uma sociedade, deixando de ser colônia, que une a tradição à modernidade. No cenário, vestimentas tradicionais estampadas e coloridas se conectam à elementos ocidentais como automóveis e aparelhos eletroeletrônicos.
Para quem gosta de fotografia e quer conhecer um pouco mais da cultura do Mali, esta mostra está imperdível!  O que mais nos chamou atenção: o olhar das pessoas, as posturas, as vestimentas (estilo, tecidos, modelagens, mix de estampas). Arraste para o lado para ver algumas fotos que registramos por lá.
Comente aqui o que achou da expo. #diversificaseuolhar #arte #fotografia #keitanoims
A exposição no IMS Rio reúne 136 obras do fotógrafo, um dos precursores dos retratos de estúdio na África. Realizadas entre 1948 e 1962, as imagens mostram um período de transformação no Mali. Em cartaz entre 05 de setembro de 2018 a 27 de janeiro de 2019.
.
https://keita.ims.com.br
#KeitaNoIMS
.
IMS Rio de Janeiro
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ
CEP 22451-040
.
Mama Casset. Sem título. Dacar, c. 1950-1960. Espólio de Mama Casset – Cortesia Revue Noire
Ao longo de sua carreira, Seydou Keïta (1921-2001) produziu inúmeros retratos dos habitantes de seu país. Em seu estúdio, localizado perto da estação ferroviária de Bamako, registrava as expressões, os vestuários e os gostos dos visitantes que passavam por lá. Realizadas entre 1948 e 1962, suas imagens também mostram um período de transformação no Mali, quando o país caminhava rumo à sua independência, em 1960.⠀
.⠀
Depois de passar pelo IMS Paulista, a mostra Seydou Keïta chega ao IMS Rio. A exposição apresenta 130 obras do fotógrafo, considerado um dos precursores dos retratos de estúdio na África. A curadoria é de Jacques Leenhardt, diretor da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, e Samuel Titan Jr., coordenador executivo cultural do IMS.⠀
.⠀
SEYDOU KEÏTA⠀
IMS Rio⠀
Rua Marquês de São Vicente, 476⠀
Gávea - Rio de Janeiro/RJ⠀
.⠀
keita.ims.com.br⠀
#KeitaNoIMS⠀
.⠀
Bamako (Mali), entre 1948 e 1963. Foto de Seydou Keïta/ Contemporary African Collection (CAAC) - The Pigozzi Collection
Seydou Keïta
.
Exposição no IMS Rio apresenta fotografias do malinês Seydou Keïta
.
Seydou Keïta (1921-2001) começou a fotografar ainda jovem, produzindo retratos de seus amigos e familiares. Em 1948, montou seu estúdio, alcançando rápido sucesso. Com a proclamação da independência do Mali, em 1960, tornou-se o fotógrafo oficial do governo, tendo que fechar seu estúdio. Seu acervo, composto por mais de 10.000 negativos, começou a ser exibido no Ocidente a partir da década de 1990. Sua primeira exposição individual foi realizada em 1994 na França, na Fundação Cartier.
.
Ao longo de sua carreira, Seydou Keïta produziu inúmeros retratos dos habitantes de seu país. Em seu estúdio, localizado perto da estação ferroviária de Bamako, registrava as expressões, os vestuários e os gostos dos visitantes que passavam por lá. Realizadas entre 1948 e 1962, suas imagens também mostram um período de transformação no Mali, quando o país caminhava rumo à sua independência, em 1960.
.
A mostra tem entrada gratuita e vai até 27 de janeiro de 2019.
.
Referência:
https://ims.com.br/exposicao/seydou-keita-ims-rio/
.
#keitanoims #seydoukeita #seydoukeïta #foto #fotografia #arte #art #people #bwphotography #fotografiapb #p&b #mali #imsrio #mostrafotografica
A sala estava lotada. Dezenas de pessoas ouviam atentamente as informações dadas pelos curadores da exposição. Artistas, professores, estudantes, apreciadores da arte da fotografia. Todos olhavam encantados os cliques feitos pelo malinês Seydou Keïta. E nós contamos tudo sobre essa mostra ímpar, que pode ser visitada no Instituto Moreira Salles (IMS) Rio, até o dia 27 de janeiro. Clica no link que está disponível na Bio e conheça mais um pouco sobre Keïta e sua importante obra. Ah, e aproveita para conferir nossos posts anteriores, temos a certeza de que você vai gostar! 😉📸#BlogForYou #KeitaNoIMS #fotografia #exposição #photography #photographylovers #blogueiras #blogueirasbrasil #escritoras #jornalismocultural #followus
Está em cartaz no Instituto Moreira Salles, a exposição fotográfica intitulada de Seydou Keïta. A mostra apresenta 130 obras produzidas no estúdio do fotógrafo malinês Seydou Keïta, localizado perto da estação ferroviária de Bamako, entre os anos de 1948 a 1962. O fotógrafo é considerado um dos precursores de retratos produzidos em estúdio, na África. As fotografias revelam expressões, vestimentas, os gostos de pessoas comuns e a transformação de Mali, país em que a partir da década de 1960 estava a caminho de sua independência. A exposição vai até 27 de janeiro e a entrada é gratuita. O IMS funciona de terça a domingo e feriados, das 11h às 20h e fica na Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, Rio de Janeiro. Vale a pena conferir!